sexta-feira, 30 de abril de 2010

o que fazer da vida?


Ouvi algo muito legal hoje, veja se concorda: "Não tente ser uma pessoa famosa, tente ser uma pessoa de valor."

sábado, 24 de abril de 2010

Excelente desempenho da Petrobrás

A Petrobras continua tendo um excelente desempenho e agora é a 18ª empresa num ranking global, que classifica duas mil companhias.
O levantamento feito pela revista “Forbes” considera vendas, lucros, ativos e valor de mercado.
A estatal brasileira subiu sete posições no ranking das maiores empresas do mundo e também integra uma lista à parte “Global High Performers”, que reúne as companhias que se destacaram de suas concorrentes em crescimento, retorno e prospectos.
Como fica o discurso dos tucanos de que empresas estatais são lentas, incompetentes, etc?

sexta-feira, 23 de abril de 2010

Preocupações com Campinas

Além da agressão à APA há outras questões que merecem atenção e ação:
  • reforma dos nossos teatros;
  • construçao de um teatro na região do OURO VERDE e do CAMPO GRANDE;
  • recuperação das praças de esportes da cidade;
  • fomento à instalação de salas de cinema na região do CAMPO GRANDE;
É isso e muito mais...

quinta-feira, 22 de abril de 2010

OS NOVOS CARTÕES POSTAIS DO DISTRITO DE SOUSAS.

Os interesses imobiliários estão a cometer verdadeiro crime ambiental na APA Sousas-Joaquim Egidio em Campinas e o silêncio dos Poderes Constituidos é uma tragédia igualmente preocupante. Pelo andar da carroagem em breve não haverá APA, mas outro ALPHAVILLE (muito paisagismo e nenhuma árvore).

Estou claramente falando dos loteamentos e condomínios que estão sendo implantados na Fazenda Santana em Sousas. Hoje vemos pelo menso dois prédios de quatro ou cinco andares na entrada do distrito... Serão eles os "cartões postais" que desejamos aos distritos?

Penso que há restrições e recomendações legais para ocupação e uso das terras na APA, mas isso está, creio, sendo solenemente ignorado pelo poder público. 

A EMBRAPA, por exemplo, através de documento disponível a todos (http://www.apacampinas.cnpm.embrapa.br/ocupa.html) espacializa alguns mecanismos legais (leis e decretos) que, apesar de pouco aplicados durante o processo de ocupação da APA propõe normas de restrição e categorias de uso para cerca de 64% de sua área total. Destacam-se 6.756 ha de Áreas de Preservação Permanente onde, segundo o Art.20 do Código Florestal, toda a vegetação natural deve ser preservada, sejam florestas, várzeas ou campos, mas não é o que se vê em Sousas. Não se vê nesses empreendimentos o espirito de reservar e recuper a APA.

Não podemos esquecer que aconteceram no Governo Jacó Bittar as primeiras manifestações públicas organizadas em torno desta questão da preservação de SOUSAS e JOAQUIM EGIDIO, foi em em abril de 1991 durante o Primeiro Fórum Ecológico de Sousas. 

No citado forum foram levantadas as principais expectativas e reivindicações das comunidades locais pela preservação e garantia de manutenção da qualidade de vida dos Distritos de Sousas e Joaquim Egídio. Eu estava lá e não me lembro de estar entre as expectativas e reivindicações das comunidades locais a construção dos prédios que vemos hoje.

A preocupação não era apenas dos eco-xiitas do PT como podem pensar alguns, pois no mesmo ano, o então Deputado Federal Magalhães Teixeira propôs um instrumento legal para efetivar aquelas aspirações. Ele apresentou, na Câmara dos Deputados, projetos de lei para a criação de duas Áreas de Proteção Ambiental federais, uma no Distrito de Sousas e outra no de Joaquim Egídio. Estes projetos propunham a criação das APAs nas áreas compreendidas por cada um dos distritos, com o objetivo de "garantir a preservação da vegetação nativa, da fauna silvestre e dos mananciais, como forma de manter o equilíbrio ecológico da região". Eles tramitaram na Câmara no decorrer dos três anos seguintes. O projeto da APA de Sousas foi arquivado, em maio de 1994, mas o da APA de Joaquim Egídio foi aprovado na Camara dos deputados e encaminhado ao Senado, onde tramita ainda hoje (Projeto de Lei n0 25/95). 

Em abril de 1995, o projeto de lei para a criação da APA de Sousas foi reapresentado na Câmara, pelo Deputado Federal Luciano Zica (Projeto n0 323/95), mas já foi novamente arquivado. Paralelamente à tramitação destes projetos no Legislativo Federal, em maio de 1993, agora como Prefeito de Campinas, Magalhães Teixeira, através do Decreto Municipal n0 11.172, criou as APAs de Sousas e Joaquim Egídio, com os mesmos limites e objetivos propostos originalmente nos projetos de lei de 1991 no governo Jacó Bittar, o que demonstra que havia campos de responsabilidade e de entendimento comum entre os ex-prefeitos e os dois partidos (lamentavelmente Magalhães Teixeira se foi e Jacó foi banido pela elite conservadora e atrasada; Zica está sem mandato, o que fazer? Temos de buscar o Ministério Público ou organizamos um debate sobre isso que seja capaz de despertar o interesse da classe politica). 

De qualquer forma esse breve histórico serve para lembrar a todos que a preocupação ambiental é preocupação comum ao PT, ao PSB, ao PSDB, ao PV, etc, e esperemos que não seja apenas discurso e leis produzidas pelo o efeito entorpecedor do ar condicionado e do carpete dos gabinetes, mas que seja também indignação e ação.

domingo, 18 de abril de 2010

ainda sobre a verdade


CARO AMIGO

Esconder-se
caro amigo
em segredos e versões
em códigos secretos
tudo em vão...
Ora,
esquivar-se apenas não liberta

Empunha a verdade
estandarte mágico
arma absoluta
escudo perfeito
e liberta a si
e ao amigo
ajuda a enterrar a hipócrita versão...

pbmn, no livro sob meu atento olhar, ed. Caminho Editorial, 1999

sábado, 17 de abril de 2010

sobre a verdade

“Conhecereis a verdade e a verdade vos libertará” (João, 8, 32).

Está frase é própria do pensamento do cristão.

Ao pensar sobre ela temos de concluir pela escolha não apenas da racionalização do fato, mas também buscar a transcendência em Deus, para que sejamos livres para escolher livremente nossas ações, assumi-las, gozar delas ou corrigi-las (reparando os erros).

Assim, não seremos libertados pelos “aspectos da verdade”, ou pelas “verdades provisórias” de que sejamos detentores no círculo das afirmações apaixonadas a que nos inclinemos. Só existe verdadeira liberdade na submissão ao dever fielmente cumprido, mesmo que isso seja dificil.

2ª. CARTA ABERTA AO SENHOR JUVENAL JUVENCIO.

Em meados do passado escrevi e assinei um artigo batizado de CARTA ABERTA AO SENHOR JUVENAL JUVÊNCIO, esse artigo foi publicado em alguns jornais e sites de noticias. O que me motivou foi a leitura à época (em um jornal de Campinas de dia 30 de maio de 2009) de uma matéria que recebeu o titulo “Super G4 – Ataque em bloco”, na qual os Presidentes do São Paulo, Santos, Corinthians e Palmeiras estariam unidos para defender interesses comuns, especialmente aqueles relacionados aos lucrativos contratos de TV. Até ai tudo legitimo.

Mas o que causou enorme constrangimento foi uma afirmação do caricato Presidente do São Paulo (muito parecido com o chapeleiro maluco de ALICE NO PAÍS DAS MARAVILHAS), o qual teria dito, ao referir-se aos Presidentes de clubes ali presentes que: “Os 4 cidadãos que estão sentados aqui representam a totalidade do futebol paulista. São os times que tem representatividade. O resto não existe”. Até hoje não sei se ele disse exatamente isso mesmo, mas esse foi o conteúdo da matéria e se ele disse isso mesmo os conselheiros do São Paulo e os torcedores devem ter ficado de “cabelo em pé”, pois tratou-se de uma estultice imensurável e demonstração ignorância, e arrogância do Seo Juvenal. O discurso do Seo Juvenal é medíocre, inversamente proporcional à importância o próprio clube que, por enquanto, ele preside. E expus as razões na 1ª carta aberta ao Seo Juvenal.

Bem, passado praticamente um ano desse fato dos quatro times representados e auto-denominados modestamente de “Super-G4” apenas dois deles se classificaram para as finais do campeonato paulista, sendo que outros dois representantes do “resto” que “não existe” fazem uma das semi-finais e a minha PONTE PRETA venceu o Corinthians, O Palmeiras, empatou com o Santos e perdeu apenas do São Paulo, mas quem marcou os gols foi o pontepretano Washington (venceu ainda a Portuguesa, um time da capital), ou seja, talvez sem os jogadores formados pelo “resto que não existe” o Super-G4 não existisse.

Imaginei um torneio envolvendo o "super-G4" do Seo Juvenal e tomando os resultados dos jogos entre esses times no Paulistão 2010 a PONTE e a PORTUGUESA, esta por ser da capital, a PONTE é a campeã.

segunda-feira, 12 de abril de 2010

A Páscoa da Terra Crucificada

A páscoa é uma festa comum a judeus e a cristãos e encerra uma metáfora da atual situação da Terra, nossa devastada morada comum. Etimologicamente, páscoa significa passagem da escravidão para a liberdade e da morte para a vida. O Planeta como um todo está passando por uma severa páscoa. Estamos dentro de um processo acelerado de perda: de ar, de solos, de água, de florestas, de gelos, de oceanos, de biodiversidade e de sustentabilidade do própro sistema-Terra. Assistimos estarrecidos aos terremotos no Haiti e no Chile, seguidos de tsunams. Como se relaciona tudo isso com a Terra? Quando as perdas vão parar? Ou para onde nos poderão conduzir? Podemos esperar como na Páscoa que após a sexta-feira santa de paixão e morte, irrompe sempre nova vida e ressurreição?
Precisamos de uma olhar retrospectivo sobre a história da Terra para lançarmos alguma luz sobre a crise atual. Antes de mais nada, cumpre reconhecer que terremotos e devastações são recorrentes na história geológica do Planeta. Existe uma "taxa de extinção de fundo" que ocorre no processo normal da evolução. Espécies existem por milhões e milhões de anos e depois desparecem. É como um indivíduo que nasce, vive por algum tempo e morre. A extinção é o destino dos indivíduos e das espécies, também da nossa.
Mas além deste processo natural, existem as extinções em massa. A Terra, segundo geólogos, teria passado por 15 grandes extinções desta natureza. Duas foram especialmente graves. A primeira ocorrida há 245 milhões de anos por ocasião da ruptura de Pangéia, aquela continente único que se fragmentou e deu origem aos atuais continentes. O evento foi tão devastador que teria dizimado entre 75-95% das espécies de vida então existentes. Por debaixo dos continentes continuam ativas as placas tectônicas, se chocando umas com as outras, se sobrepondo ou se afastando, movimento chamado de deriva continental, responsável pelos terremotos.



A segunda ocorreu há 65 milhões de anos, causada por alterações climáticas, subida do nivel do mar e arquecimento, eventos provocados por um asteróide de 9,6 km caido na América Central. Provocou incêndios infernais, maremotos, gases venenosos e longo obscurecimento do sol. Os dinossauros que por 133 milhões de anos dominavam, soberanos, sobre a Terra, desapareceram totalmente bem como 50% das espécies vivas. A Terra precisou de dez milhões de anos para se refazer totalmente. Mas permitiu uma radiação de biodiversidade como jamais antes na história. O nosso ancestral que vivia na copa das árvores, se alimentando de flores, tremendo de medo dos dinossauros, pôde descer à terra e fazer seu percurso que culminou no que somos hoje.
Cientistas (Ward, Ehrlich, Lovelock, Myers e outros) sustentam que está em curso um outra grande extinção que se iniciou há uns 2,5 millhões e anos quando extensas geleiras começaram a cobrir parte do Planeta, alterando os climas e os níveis do mar. Ela se acelerou enormemente com o surgimento de um verdadeiro meteoro rasante que é o ser humano através de sua sistemática intervenção no sistema-Terra, particularmente nos último s séculos. Peter Ward (O fim da evolução, 1977, p.268) refere que esta extinção em massa se nota claramente no Brasil que nos últimos 35 anos está extinguindo definitivamente quatro espécies por dia. E termina advertindo:"um gigantesco desastre ecológico nos aguarda".
O que nos causa crise de sentido é a exitência dos terremotos que destroem tudo e dizimam milhares de pessoas como no Haiti e no Chile. E aqui humildemente temos que aceitar a Terra assim como é, ora mãe generosa, ora madrasta cruel. Ela segue mecanismos cegos de suas forças geológicas. Ela nos ignora, por isso os tsunamis e cataclismos são aterradoras. Mas ela nos passa informações. Nossa missão de seres inteligentes é descodificá-las para evitar danos ou usá-las em nosso benefício. Os animais captam tais informações e antes de de um tsunami fogem para lugares altos. Talvez nós outrora, sabíamos captá-las e nos defendíamos. Hoje perdemos esta capacidade. Mas para suprir nossa insuficiência, está ai a ciência. Ela pode descodificar as informações que previamente a Terra nos passa e nos sugerir estratégias de autodefesa e salvamento.
Como somos a própria Terra que tem consciência e inteligência, estamos ainda na fase juvenil, com pouco aprendizado. Estamos ingressando na fase adulta, aprendendo melhor como manejar as energias da Terra e do cosmos. Então a Terra, através de nosso saber, deixará que seus mecanismos sejam destrutivos. Todos vamos ainda crescer, aprender e amadurecer.
A Terra pende da cruz. Temos que tirá-la de lá e ressuscitá-la. Então celebraremos uma páscoa verdadeira, e nos será permitido desejar: feliz Páscoa.
_______________________________________



Leonardo Boff é autor de Nossa ressurreição na morte, Vozes 2007.