domingo, 20 de novembro de 2016

A CAMINHO DO CAOS.


O “sonho” de muita gente é passear no Central Park em Nova York e fazer inúmeras selfies para instantaneamente postá-las numa rede social, como que a dizer “faço parte disso tudo...”. Inegavelmente Nova York é uma cidade interessante, assim como o Central Park é um lugar icônico, mas não é mais bonito que o Parque do Ibirapuera em São Paulo, espaço público que o “prefeito não-político” da capital paulista pretende privatizar.

Mas o Central Park nem sempre foi um espaço público de convivência válida e saudável. Após a Crise de 1929 onde hoje é o parque central havia uma das milhares de favelas (chamadas de Hoovervilles, em “homenagem” ao presidente da república de então).

Todos sabemos que a crise econômica de 1929 desempregou milhões de trabalhadores nos EUA, legando a imagem de homens forçados a ficar na fila da sopa ou vendendo maças nas esquinas[1]. O tempo da “Grande Depressão” o estudo da MACROECONOMIA, ramo da Economia que estuda o desempenho da economia sem eu conjunto, não era tão desenvolvida quanto hoje; tanto é verdade que o que ocorreu em 1929 (e em menor escala em outras ocasiões e mais recentemente em 2008) foi um “...golpe na economia em seu conjunto...”[2], ou seja: uma catástrofe.

A MACROECONOMIA tem por objeto o estudo do desenvolvimento da economia como um todo, enquanto a MICROECONOMIA, trata das decisões de produção e consumo, dos produtores e consumidores individualmente. A Crise de 1929 ensinou muito aos governos.

Bem, feita essa introdução é possível afirmar, com base nas propostas da dupla Temer e Meirelles, que o país caminha para o caos, pois esses senhores buscam aplicar às questões macroeconômicas emergentes regras de natureza microeconômicas, esquecendo-se que em economia o conjunto é maior que a soma das partes. O triste é que o caminho para o caos conta com a ajuda de um congresso incapaz e servil, dos meios de comunicação corporativos e dos seus especialistas em economia.

Me refiro ao discurso da política de austeridade e dos cortes de gastos propostos pela dupla citada; parece que esses senhores desconhecem o que em macroeconomia é denominado “paradoxo da poupança”. O tal paradoxo se faz presente quando as famílias e as empresas, preocupadas com a possibilidade de tempos difíceis na economia, reduzem gastos e investimentos. Essa redução de gastos e investimentos deprime a economia à medida que consumidores gastam menos e as empresas, em razão da redução do consumo, acaba por despedir trabalhadores. Muitas vezes o que é uma virtude em microeconomia, em macroeconomia é, repita-se, o caminho do caos.

Evidentemente nem o governo, nem as famílias ou as empresas podem praticar gastos irresponsáveis, pois gastos inadequados podem levar à recessão e até à depressão; mas é dever dos governos usar a política fiscal e a política monetária para ajudar a economia. Mas que fique registrado que as políticas de austeridade falharam em todos os países em que foi aplicada, ou seja, esse não é o caminho.

As políticas de austeridade levaram diversos países que as adotaram ao agravamento do desemprego, da recessão e à inflação. Em relação à inflação temos um paradoxo a ser enfrentado: políticas que garantem o emprego podem gerar inflação, ao passo que políticas que combatem a inflação sempre geram desemprego.

Não se pode esquecer que o neoliberalismo, doutrina econômica combatida pela esquerda e renascida no Brasil pelas mãos de Temer e Meirelles, recebeu críticas de um de seus maiores defensores, o Fundo Monetário Internacional (FMI), em artigo[3] publicado por três economistas da instituição.

O documento sugere que o receituário neoliberal, prescrito pelo próprio FMI para o crescimento econômico sustentável em países em desenvolvimento, pode ter efeitos nocivos de longo prazo, pois os almejados benefícios de algumas políticas de austeridade, que são uma parte importante da agenda neoliberal, em vez de gerar crescimento, algumas políticas neoliberais aumentaram a desigualdade, colocando em risco uma expansão duradoura.

Os autores, três membros do departamento de pesquisa do FMI, disseram que a abordagem tradicional para ajudar os países a reconstruir suas economias através de corte de gastos do governo, privatização, livre comércio e abertura de capital podem ter custos "significativos" em termos de maior desigualdade e que o aumento da desigualdade prejudica o nível e a sustentabilidade do crescimento e concluem dizendo que mesmo que o crescimento seja o único ou principal objetivo da agenda neoliberal, os defensores dessa agenda devem prestar atenção nos efeitos de distribuição.

Embora os pesquisadores do FMI reconheçam o que chamaram de “pontos positivos na agenda neoliberal”, eles destacam dois grandes problemas: (a) a remoção de todas as restrições ao fluxo de capital e (b) a rigidez orçamentária dos governos.

Os economistas reconhecem as vantagens da abertura de capital em países em desenvolvimento, mas dizem que o fluxo pode ser de um capital de curto prazo, causando grande volatilidade nos mercados e aumentando as chances de quebra.

Segundo os autores, de 150 casos desde a década de 1980 de economias emergentes que tiveram um forte aumento dos fluxos de capital, 20% resultaram em crise financeira. Além disso, a abertura financeira gera um aumento considerável da desigualdade na população do país, alertaram.

As políticas de austeridade, que frequentemente reduzem o tamanho do Estado, não somente "gera custos sociais substanciais," mas também "prejudica a demanda", além de aprofundar o desemprego.

Ou seja, a agenda da dupla Temer e Meirelles ignora autocritica do próprio FMI e, repito, conduz o país ao caos e o sonho de caminhar pelo Central Park ficará cada vez mais distante para todos.


[1]Conforme Paul Krugman e Robin Welles, no “Introdução à Macroeconomia”, p. 492.
[2] Obra citada, p. 492.
[3] edição de junho de 2016 da revista Finance & Development.

Nada

Não esperem nada
pouco ou nada pode ser feito
nao existo mais
por aqui vaga solitária
morimunda e esquálida
lembrança triste
do que poderia ter sido
do quase
do se
do nada

sexta-feira, 11 de novembro de 2016

somos plural

As vezes desejo saltar de você
abismo e libertação
e seguirmos
minha sombra e eu
pensamento silêncio
contraparentes da consciência,
minha consciência.

Mas somos um
são dois
somos nós, não eu
somos plural
e assim libertários e libertos
somos enfim mais sendo um

(para você Célia Maciel)