segunda-feira, 15 de maio de 2017

Infelicidade















Vida
sucessão dias e dores
dias iguais
dores em sorrisos protocolares.



A felicidade,
em sua perspectiva improvável,
segue ali
Ramalho Ortigão
como em Plutão
debochando do que talvez tenha sido
um instante de genuína paixão
mas eu não estava lá...

A sustentar o nada
gigantesco
desimportância revelada
vida em farrapos
lembranças construídas
verdades editadas
feridas ocultadas.

Num átimo infinito
ou eterno
ilusão e esperança
são sementes da escravidão
fracasso
culpa
não há espaço para nada
pois o nada ocupa tudo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário