segunda-feira, 27 de abril de 2015

“EU QUERO IMPITIMA!” (A NOVA ONDA DO MENINO MIMADINHO).


O Menino Maluquinho é um livro infanto-juvenil brasileiro de 1980 criado pelo desenhista e cartunista mineiro de Caratinga conhecido por Ziraldo Alves PintoO protagonista do livro é ele o “Maluquinho”.  Maluquinho é um menino alegre, agitado e criativo. Ele não para nunca. Sua mãe, Naná, e seu pai, Carlinhos, têm muito trabalho com ele, mas o adoram. Dona Naná está sempre pedindo a ele que arrume a bagunça do quarto, e seu Carlinhos já se acostumou a emprestar aquele paletó azul que o Maluquinho gosta de vestir. Mas ninguém sabe por que ele gosta tanto de usar uma panela na cabeça. O amigo Junim acha que ela é mágica, mas nunca conseguiu provar.

É de fato um personagem maravilhoso, através do qual Ziraldo captou o mundo de sonhos e possibilidades infinitas dos meninos e meninas naquele momento anterior aos dramas da puberdade. Com o Menino Maluquinho aprendemos coisas boas, gentileza, bondade, heroísmo, ingenuidade, generosidade.

Mas no mundo real estamos tendo a infeliz oportunidade de observar as atitudes do Senador mineiro-fluminense Aécio Neves da Cunha e, confesso que o que sinto é vergonha alheia.

A vergonha alheia é a vergonha que sentimos ao presenciar alguém fazendo algo embaraçoso. Aécio não é um Menino Maluquinho, pois não há nas suas palavras e ações – pelo menos desde que perdeu os dois turnos das eleições presidenciais - coisas boas, gentileza, bondade, heroísmo, ingenuidade, generosidade, o que se identifica é o oposto disso. Age como um menino Mimadinho.

Aécio se comporta como o que é um Menino Mimadinho e os mimados, que não se reconhecem como tal, são: (i) reativos - ou seja, os mimados têm a tendência a responder aos estímulos do meio (pessoas e situações) automaticamente de forma impulsiva, sem avaliação da complexidade das situações. É o que alguns chamam de ansiedade ou ainda de espontaneidade e autenticidade, o que para a posição que ele ocupa na oposição, tão necessária, é um caos; (ii) exclusivistas - que é a característica ou hábito de travar uma luta aberta ou silenciosa por espaço pessoal assumindo que as pessoas e objetos que orbitam ao seu redor são suas posses exclusivas (patrimonialista?); (iii) parciais - ou seja, tem a limitação cognitiva de alcançar a maior quantidade de facetas de uma realidade. É considerar uma parte mínima como o todo e ignorar que existem outras dimensões de um mesmo fato que devem ser levantadas antes de um parecer conclusivo; (iv) egocêntricos - o nosso Menino Mimadinho tem a mania de querer tudo só para si, mas também a tentativa sutil de referenciar todos os acontecimentos do mundo em seu próprio ego, como se todos fossem atores coadjuvantes ou figurantes da trama incrível da sua vida. Aécio Neves da Cunha não consegue imaginar, nem de longe, o que o outro está pensando ou sentindo ou se suas ações afetam negativamente o outro; (v) personalistas - Aécio Neves da Cunha tem evidente inclinação por achar que o mundo deve ser medido pelas suas predileções, ou seja, se gosta e aprova é bom e ao que se opõe é ruim, condenável e maléfico; (vi) imediatistas - o nosso Menino Mimadinho tem predisposição a achar que todo mundo é lerdo e só ele é esperto e de exigir que tudo seja para ontem. Além disso, é a incapacidade de considerar que ações têm consequências e que elas se desdobrarão num efeito em cadeia até o ponto de prejudicar alguém.

E a nova onda do nosso Menino Mimadinho e sua turma é o pedido de impeachment da Presidente Dilma Rousseff... 

Eu quero impitima, eu quero impitima, eu quero impitima!!! Deve ser isso que o Menino Mimadinho, aos berros, exige antes de tomar leite quentinho com Toddy para depois dormir com pijama de pesinho.

Bem, se não for apenas coisa de criança mimada, coisa do nosso Menino Mimadinho, tratar-se-á de mau-caratismo puro... Por quê? Porque Aécio não é herdeiro de Tancredo Neves e sim do Deputado Federal da ARENA Sr. Aécio da Cunha, seu pai. Aécio Neves da Cunha é legitimo herdeiro da velha UDN, que virou ARENA, depois PDS e PFL,  gente que, lamentavelmente, está ao lado do PSDB desde 1994, herdeiro de gente que historicamente não tem votos, nem nunca teve. Aécio é herdeiro de gente que esteve contra a democracia desde a proclamação da república.
E, como está fora de moda dar "golpes de Estado" com apoio dos militares, tenta com apoio de parte da imprensa, de parcela do Poder Judiciário e do Ministério Público, para dar ao verdadeiro golpe de Estado "ares" de legitimidade e legalidade, usando como bandeira a moral puritana e a hipocrisia típica de quem não tem nenhuma virtude e como instrumento jurídico o pedido de impeachment.

Impressionante... Passados mais de 51 anos a classe média novamente serve de massa de manobra para gente como Aécio Neves da Cunha. As manifestações contra a democracia, tratadas como evento cívico pela GLOBO, pela GLOBO NEWS, pela FOLHA e pelos Mesquita do ESTADÃO, tentaram legitimar o impeachment e poderiam ter conseguido desconstruir 30 anos de democracia.

Estou profundamente preocupado com a estupidez humana, mas enfim, vamos em frente. Não faltam documentos para demonstrar que sempre que um governo contrariou os interesses dos banqueiros, rentistas e grandes industriais o "método" foi o mesmo. Basta estudar o que ocorreu com Getúlio, JK, Jango, Lula e agora com Dilma Rousseff. Todos deveriam estudar História. Repito: o método de hoje é reprodução do que ocorreu com Getúlio em 1954, com JK durante todo o seu governo e com Jango.
Coincidentemente, as três derrotas da UDN (para Getúlio, JK, Jânio/Jango) desencadearam uma campanha midiática que levou ao golpe de 1964.

Espero estar errado. Mas me parece que a quarta derrota da neo-UDN (PSDB) representantes fieis da FEBRABAN e do FIESP (PSDB, DEM) é a causa da indignação seletiva e do caos artificialmente criado e inflado e do chilique do nosso Menino Mimadinho.

Mas o nosso Menino Mimadinho vem recebendo vários sinais de que não há base para o pedido de impeachment.  Além do ex-ministro Miguel Reale Jr., os advogados Ives Gandra Martins e José Eduardo Alckmin pedem cautela ao menino Mimadinho e sua turma, dizendo que a base legal é insuficiente para afastar a presidente Dilma Rousseff. Registre-se que todos esses renomados juristas são simpáticos aos liberais que tomaram o partido da socialdemocracia para si.


Ficam essas reflexões.

Um comentário:

  1. quem sabe se crie um governo infantil, dando a êle o privilégio do primeiro mandato, para brincar de governo e se ocupar, por que no senado não tem aparecido muito.

    ResponderExcluir