sexta-feira, 29 de agosto de 2014

QUEM VAI VENCER AS ELEIÇÕES PARA PRESIDENTE?


Ainda não sei quem vai ganhar, mas já é possível afirmar que a candidatura de Aécio Neves perdeu força e importância. Alguns diriam em tom jocoso “perdeu playboy!”. Aécio perdeu sim, mas o Brasil ganha com ele fora do páreo porque o país não precisa da volta dos liberais e seus discursos pasteurizados e sua ação permanentemente pró-interesses do mercado financeiro.

Em 11 de junho escrevi no meu blog[1] e a imprensa da região publicou artigo onde eu dizia o seguinte: “A Presidente Dilma vem liderando a corrida presidencial, mas penso que setores do próprio PT são os seus maiores adversários e podem levar a presidente à derrota. A quais setores eu me refiro? Aos que, diferentemente da presidente e de Lula, passaram a crer que o país não existia antes deles, aqueles que se tornaram desprezíveis burocratas.”.

Escrevi e reitero que toda a burocracia partidária assemelha-se às castas, pelo fato de se encontrar sempre pronta a cerrar os olhos perante os mais grosseiros erros dos seus chefes em política geral se, em contrapartida, estes lhe forem absolutamente fiéis na defesa dos seus privilégios.

O fato: a morte de Eduardo Campos. E  Marina Silva alçada à condição de protagonista no processo eleitoral mudou o cenário todo, temos outra eleição a ser analisada. Aliás, dois fatos haverão de ser, no futuro, considerados determinantes para a possível derrota de Dilma e do PT. O primeiro fato são os movimentos de junho de 2013, os quais sacudiram o país e reduziram significativamente a vantagem de Dilma e o segundo é a morte de Eduardo Campos.

Estou tratando nesse artigo da possibilidade de o PT ser derrotado apesar dos enormes avanços econômicos e sociais e de suas causas. Justo? Injusto? Não sei. A História será contada e os fatos avaliados no futuro, sem a paixão desse momento, com o distanciamento necessário.

Reafirmo também que o país não precisa nem de neoliberais, nem de burocratas, o país precisa de brasileiros de verdade, capazes de ouvir as legítimas demandas de todos os setores, pois vivemos numa democracia e nas democracias as diferenças precisam ser respeitadas, as vozes precisam ser ouvidas. E, com todo respeito, não há entre os candidatos postos pelos partidos, ou pelos agrupamentos que se apresentam como tal, candidato ou candidata com todas essas qualidades.  

Penso que Dilma reúne mais qualidades que Aécio e que Marina e mais, representa um projeto, uma visão de mundo moderno, uma sociedade justa, políticas públicas generosas e responsáveis, mas parece ter tomado decisões erradas, assim como é certo não ter sido capaz de apresentar-se, de comunicar-se validamente com os brasileiros, não foi capaz de estabelecer uma interlocução necessária com a sociedade, aparentemente tem dificuldade em conviver com a contrariedade e reconhecer que a nossa sociedade é essencialmente plural e que os interesses de cada setor têm de ser ouvidos e respeitados.

Alguém que eu respeito teria dito que o erro fundamental foi não ter chamado o ex-presidente Lula para ajudá-la em momentos de tensão política ou institucional, não sei se ele disse, mas Lula é um Estadista com uma visão estratégica única e se não foi ouvido trata-se, de fato, um grande erro.

Bem, o quadro está consolidado, com Dilma e Marina no 2º. Turno, com a ex-petista, ex-verde, fundadora da REDE e atualmente hóspede do PSB com grandes possibilidades de subir a rampa do Planalto. Mas não está nada garantido para ela, pois Dilma tem Lula, o PT e cinco vezes mais tempo de televisão para apresentar obras e ações que, lamentavelmente, a mídia recusa-se a mostrar.

Já o PSDB e Aécio Neves sabem que sua candidatura tende a ter seu tamanho e relevância real, qual seja, nenhuma. Penso que o PSDB com Aécio Neves renunciou à possibilidade de vitória. Por que? Porque o tucano mineiro é um político que, ao contrário de José Serra, não possui nenhuma das qualidades necessárias ao exercício da Presidência da República, pois não representa um projeto, uma ideologia ou uma geração, ele é personagem dele mesmo, o eterno neto de alguém que foi grande sem nunca ter sido. Eleito Senador em 2010 voltará ao Senado para, quem sabe, exercer de fato o mandato para qual foi eleito pelo povo de Minas Gerais.

Se em 11 de junho escrevi que naquele momento cada um dos candidatos, a presidente Dilma, o ex-governador Eduardo Campos e o Senador Aécio Neves eram “adversários de si próprios” com setembro chegando e com as campanhas “na rua” já não é bem assim mais.

Quanto a mim mantenho-me onde sempre estive, nas fileiras dos setores progressistas, dos trabalhadores, do micro, pequeno e médio empresário, confiante e com a certeza de que o Brasil pode e deve seguir avançando nas mudanças iniciadas em 2003.




[1] http://odireito-oavesso.blogspot.com.br/2014/06/quem-e-adversario-de-quem-2014.html

Nenhum comentário:

Postar um comentário