domingo, 30 de dezembro de 2012

O que esperar de 2013?


O que esperar de 2013? Bem, eu e meu amigo Carlos Barreto desejamos que nosso time do coração, a Ponte Preta, a nossa “Nêga Véia”, seja atrevido e rompa com o roteiro e cometa o disparate de driblar todas as previsões e possibilidades, o juiz e do público, das arquibancadas e do pay-per-view , lançando-se na proibida aventura das vitórias improváveis e inesquecíveis e tornando-se campeã Paulista, brasileira e da Copa-Sul-Americana.

A Macaca campeã seria o cenário da felicidade plena, mas até esse momento mágico vamos nos arriscar a palpitar sobre o cenário econômico para, noutro momento, falar sobre o cenário politico (afinal eles se entrelaçam e numa visão marxista a Politica é superestrutura, assim como as relações jurídicas e as demais formas de consciência social e a Economia é estrutura).
Gente séria analisa de forma bastante otimista a economia brasileira para 2013.
O economista Jim O’Neill, criador do BRIC, afirma que apesar do fraco desempenho registrado no PIB desde a segunda metade do ano de 2011 é necessário, se quisermos fazer uma análise honesta, colocar o resultado desapontador de 2011 e 2012 no contexto do ciclo brasileiro. Em 2001, 2002 e 2003 o Brasil cresceu, respectivamente, 1,3%, 2,7% e 1,1% e a partir dai acelerou.
Noutras palavras, não é possível avaliar o baixo crescimento desses dois últimos anos fora desse contexto e sem analisar-se também a crise pela qual passa o capitalismo mundial. Jim O’Neill afirma ainda que há condições de projetar-se um crescimento de 4% em 2013, percentual ainda abaixo da possibilidade, mas indicativo de uma tendência.
Outro peso pesado que crê num crescimento na casa de 4% é John Williamson. Criador da expressão “Consenso de Washington”, afirma que a desaceleração econômica no Brasil é, sobretudo, cíclica e que será apenas uma questão de tempo para a atividade econômica reagir aos estímulos feitos pelo governo.
Creio que o PIB é apenas um dos indicadores que devem ser objeto de atenção e preocupação e nesse sentido não podemos perder de vista que, apesar de o país vir de dois anos de baixo crescimento, temos um quadro de pleno emprego, inflação sob controle e a relação divida/PIB vem caindo de forma consistente.
E também 2012 foi um ano histórico no que concerne à taxa de juros reais no país. O juro real hoje, descontada a inflação, é de 2% a.a., a menor que eu me lembro.
Essa análise rápida nos autoriza a afirmar que 2013 será um ano muito bom para o país, para o povo brasileiro e para os setores produtivos. Espero que a Ponte Preta nos coroe com um titulo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário