sábado, 10 de outubro de 2009

Solidão.


Sigo sem entender os movimentos assimetricos
espirito que guia sua vida
idas e vindas

sonhos distantes e desejo irreal.

Sua liberdade
é antinomia à minha dependência
solidão...

Busco aceitar em silêncio
a indiferença e a inação
da paixão adormecida,
falecida?


E o preço dessa dor?  Tudo aos pedaços.
Fragmentado meu coraçao não encontra razões
mas segue firme a caminho do fim
todas as manhãs
escravo o mercado
da sociedade liquida
há um enfim?

Nenhum comentário:

Postar um comentário